Cataratas do Iguaçu, lado argentino: o que ver e como chegar Foz do Iguaçu / Puerto Iguazú

[Atualizado em 27/09/2018] Há duas formas de se conhecer as Cataratas do Iguaçu, pelo lado brasileiro e pelo lado argentino. Na Argentina, as Cataratas localizam-se dentro do Parque Nacional Iguazú, na cidade de Puerto Iguazú. O parque argentino possui algumas diferenças em relação ao brasileiro. Podemos dizer que o passeio na Argentina é mais aventureiro. Há muito mais o que ver e caminhadas maiores para se fazer.

Leia também: Cataratas do Iguaçu, lado brasileiro

No lado brasileiro, o passeio tradicional é percorrer uma pequena trilha, em que você tem uma visão mais panorâmica das Cataratas, principalmente, das quedas d’água do outro lado. Já no lado argentino, não se tem uma visão tão geral das Cataratas, mas você caminha ao lado das quedas d’água. Há três percursos para caminhar: superior, inferior e Garganta do Diabo. Por isso, os turistas ficam mais distribuídos pelo parque e o passeio dura mais tempo.

Trem

Ao contrário do parque brasileiro, a entrada do Parque Nacional Iguazú é próxima aos locais de caminhada. Por isso, é possível percorrer todos os caminhos andando. Só é necessário usar um meio de transporte para chegar até a famosa queda d’água Garganta do Diabo. E no parque argentino, o meio de transporte é um trenzinho. O trem é bonito e é um passeio interessante. Mas, a logística não funciona muito bem. O trem demora para passar e nunca se sabe quando será o próximo.

Leia também: Cataratas do Iguaçu: diferenças entre o lado brasileiro e o lado argentino

Trem do Parque Nacional del Iguazú

Trem do Parque Nacional del Iguazú

Garganta do Diabo

A Garganta do Diabo é o ponto auge da visita ao parque argentino. Essa é a queda d’água mais alta das Cataratas do Iguaçu, possui 82 metros de altura. A queda é em forma de U e possui 700 metros de comprimento. Para chegar até a Garganta do Diabo é necessário pegar o  trem, que demora 15 minutos para chegar ao destino. Depois, ainda tem uma caminhada de 1100 metros por passarelas sobre o Rio Iguaçu para chegar até a queda d’água. Como o trem leva muitas pessoas, quando ele chega, o mirante da Garganta do Diabo fica bem cheio e é ruim para tirar fotos. A dica é esperar uns 20 minutos para fazer a caminhada, pois o local estará mais vazio e ainda não terá chegado o próximo trem.

garganta-do-diabo-cataratas-do-iguacu

Passarela sobre o Rio Iguaçu

cataratas-del-iguazu

Plataforma de observação da Garganta do Diabo

Circuito Superior e Inferior

As outras duas caminhadas que você poderá fazer são o Circuito Superior e Inferior. Como o próprio nome já diz, no Circuito Superior (foto de capa) você anda no alto das quedas d’água, vê as cataratas de cima para baixo. Essa seria uma visão equivalente ao do parque brasileiro, mas vista na direção oposta. O circuito possui 1750 metros de extensão e segundo o parque o tempo estimado da caminhada é de duas horas, mas eu fiz em muito menos.

Já no Circuito Inferior, você caminha na parte de baixo e vê as quedas d’água de baixo para cima.  Esse circuito é maior que o superior e no percurso ainda há algumas escadas, o que torna mais cansativa a caminhada. Eu não fiz esse percurso, devido à falta de tempo, mas me arrependi. As pessoas costumam gostar mais do Circuito Inferior do que do Superior.

circuito-superior-e-inferior-cataratas-do-iguacu

Circuito Superior

Como chegar

Há quatro formas de ir ao parque: transporte público, empresa de turismo, carro e táxi. Táxi é o jeito mais caro e deve ser sua última opção.  Agora vamos falar das demais três opções:

Empresa de turismo

Por incrível que pareça essa é a opção mais barata para chegar ao Parque Iguazú. Mas, é claro depende da empresa. Os valores variam muito de empresa para empresa. A Tour On possui um ótimo preço e tem um serviço de qualidade. Custa R$40 o transporte em  van até o parque argentino que te busca e de deixa no seu hotel. Para saber mais informações, ver os preços e fazer reserva clique aqui.

Transporte Público

Esse é a opção que escolhi pensando que seria a mais barata. Ir por conta própria te dá mais liberdade do horário de ir e voltar, mas acaba gastando mais tempo já que você precisa pegar dois ônibus. Primeiramente, você precisa chegar à Argentina. Há um ônibus que vai de Foz do Iguaçu a Puerto Iguazú. Ele sai de perto do Terminal de Transporte Urbano, TTU, passa por várias avenidas de Foz e vai até o terminal rodoviário de Puerto Iguazú. Três empresas fazem esse percurso: Celeste, Rio Uruguay e Itaipu. O ônibus custa R$5 e passa a cada meia hora, em média. Estando no terminal rodoviário de Puerto Iguazú, há um ônibus que vai direto até as Cataratas argentinas. Apenas a empresa Rio Uruguay faz esse trajeto. O ônibus custa cerca de R$35 (ida e volta) e sai a cada 30 minutos. Esse é um ônibus especial, com ar condicionado, bem melhor do que o que faz a travessia até o Brasil! Compre diretamente na Rio Uruguay, porque se comprar em outro lugar, o preço será mais alto.

Carro

Para quem já está de carro em Foz do Iguaçu, essa é uma boa opção, porque não é longe. O que é importante saber é que você precisará tirar a Carta Verde, que é uma espécie de seguro DPVAT, que protege em caso de acidente nos países do Mercosul. A Carta Verde é feita por corretoras de seguros e seu preço varie de acordo com a quantidade de dias necessárias. Caso queira alugar um carro, confira as tarifas aqui.

O estacionamento do Parque Nacional de Iguazú custa 120 pesos para carros [set/2018].

Guichê da Rio Uruguay na rodoviária de Puerto Iguazú

Guichê da Rio Uruguay na rodoviária de Puerto Iguazú

Ingresso

O ingresso do parque argentino é mais caro que do brasileiro, custa 480 Pesos [set/2018] para pessoas residentes em países do Mercosul, o que inclui brasileiros. Para saber todas as tarifas acesse o site oficial do parque clicando aqui. Para comprar o ingresso não são aceitos Reais, apenas Pesos Argentinos ou cartão de crédito. O ingresso é a única coisa que você não poderá pagar em Reais, mas nas lanchonetes, lojas de conveniência e transporte a moeda brasileira é aceita.

Onde Comer

Há lanchonetes e restaurante dentro do parque, entretanto o preço é meio alto para o que eles oferecem. No centro de Puerto Iguazú, você encontra restaurantes bem melhores pela mesma faixa de preço. Já com relação a sua hidratação, não é necessário comprar água mineral. Há algumas torneiras de água potável, nas quais está escrito “agua potable”.

Onde hospedar

A maioria dos turistas se hospedam em Foz do iguaçu, pois é uma cidade maior e com mais oferta de hotéis. Entretanto, pouca gente sabe que Puerto Iguazú possui interessantes hotéis a preços muito bons, devido ao câmbio. Os mais especiais são os hotéis de selva, para saber mais leia Onde se hospedar em Puerto Iguazú.

Caso queira ficar em Foz do Iguaçu, saiba que os hotéis se concentram em duas regiões: Centro e Avenida das Cataratas. Essas são duas regiões completamente diferentes, para saber qual mais combina com você leia: Foz do Iguaçu: quando ir e onde ficar. Agora se seu intuito é conhecer os hotéis mais confortáveis e com as melhores áreas de lazer veja a seleção que nós fizemos no post: Do luxo a resorts, conheça os melhores hotéis de Foz do Iguaçu.

 

LEIA TAMBÉM:

– Como ir e o que fazer em Puerto Iguazú

– Onde comer em Puerto Iguazú, a cidade das carnes

– Foz do Iguaçu: dois restaurantes legais para jantar e outras opções

– Ice Bar, o Bar de Gelo de Puerto Iguazú

– Roteiro de Foz do Iguaçu para 2, 4 e 6 dias


Felipe Zig

Felipe Zig é jornalista, fotógrafo e apaixonado por viajar. Depois de conhecer mais de 20 países, decidiu criar o blog “Abrace o Mundo” para dar dicas de viagens e incentivar outras pessoas a viajar.

Pin It on Pinterest