Salvador viajando com amigos Bahia
Foto de capa de: Mario Carvajal

 

Viajar com amigos é sempre uma experiência única! E se você escolher bem as companhias e o destino, a experiência pode ficar ainda mais incrível! Pensando nisso, eu e mais duas amigas solteiras, na casa dos 25 anos, decidimos viajar a Salvador. Fizemos uma viagem curta de 3 dias que acabou sendo muito divertida! Salvador é uma cidade quente em todas as acepções da palavra. Tem um povo de sorriso largo, um clima de festa e muitas cores.

Hospedagem e transporte

Para quem pretende não gastar muito com hospedagem e ao mesmo tempo aproveitar a noite de Salvador, minorando os gastos com táxi noturno, a região do Rio Vermelho é uma boa pedida. Lá é considerado o bairro boêmio da cidade e segundo os próprios moradores, é onde se encontram os melhores bares e boates da capital baiana.

Durante o dia, optamos pelo transporte coletivo para ir às praias. Infelizmente a cidade peca em infraestrutura e mobilidade, com ônibus precários e lotados.

Farol da Barra

A praia do Farol da Barra é um lugar lindo e uma parada obrigatória dessa viagem. Ela não é a ideal para banho porque possui muitas pedras, mas o pôr do sol é fantástico.

Vale dizer que o artesanato vendido nas praias pelos ambulantes é facilmente encontrado no Mercado Modelo e por preços bem menores.

Praia do Farol da Barra

Praia do Farol da Barra

Pelourinho e Mercado Modelo

O pelourinho é o bairro de Salvador que possui um conjunto arquitetônico singular. É um local essencialmente turístico, com várias igrejas, museus, lojas, bares e restaurantes; também é palco de diversas manifestações culturais, como o Olodum.

Na sequência, é bacana conhecer o Mercado Modelo de Salvador, e a maneira de se chegar lá é saindo do pelourinho e pegando o Elevador Lacerda, que apesar de ser um ícone da cidade, não me surpreendeu. Na verdade, ele faz a transição da cidade baixa para a cidade alta e a diferença marcante que pude constatar é que na cidade baixa os casarões estão muito degradados e em contrapartida há uma maior preocupação com a arquitetura da cidade alta.

O Mercado Modelo é o lugar perfeito para fazer as compras da viagem com comidas típicas (farinhas, cocadas, pimentas) e artesanato (rendas, berimbaus). Minha dica é a velha e boa arte da pechincha.Quanto às famosas fitinhas coloridas do Senhor do Bonfim, prepare-se para ser abordado por inúmeros vendedores ambulantes que insistem em amarrar uma delas no seu pulso. Há quem diga que essa cortesia também serve como marcação de que você é um turista e, portanto, um possível alvo para roubos. Melhor ter cuidado!

Pelourinho

Pelourinho

Manifestações culturais

Dançar ao som da batida do Olodum é sentir Salvador na sua essência. O grupo estava se apresentando num local fechado no pelourinho e pagamos R$30 para entrar no evento que se realizara numa tarde de domingo. É realmente uma aula de Brasil em sua raiz africana.

Outra vertente musical recente que não poderia ser esquecida nessa viagem é o famoso arrocha! Esse é o ritmo que domina grande parte da noite baiana, desde os eventos mais populares até as boates mais requintadas. As letras das músicas são engraçadíssimas e a diversão é garantida. Nós escolhemos a boate Pink Elephant em que se apresentava Kart Love – A Orquestra do Arrocha. O que achamos interessante é que na propaganda do evento dizia tratar-se de um baile de gala e fazia várias ressalvas quanto aos trajes, exigindo-se muita elegância para a sofrência coletiva.

Se você não é muito afeto a esse tipo de música, fique tranquilo! Não é só de arrocha e axé que Salvador é feita. Também conhecemos um pub com bandas de rock bem legais, o Groove Bar.

Onde Comer

No Pelourinho, o restaurante Odoyá é a minha indicação, uma vez que o cardápio traz comidas típicas e muito bem executadas. Mas se você tem a alma gordinha como eu e pretende gastar pouco se deliciando na vasta gastronomia baiana, o local certo é o Mercado do Peixe. O escondidinho de camarão é uma obra prima e para mim, conseguiu ganhar até do tradicional acarajé!

Culinaria-Salvador

 


Nathália Senra

Nathália Senra é advogada e servidora pública. O que faz direito mesmo é viver. Mineira do interior e aspirante a viajante do mundo.

Share This