Ouro Preto em outra perspectiva Ouro Preto
Se você busca conhecer a histórica e monumental Ouro Preto, entender melhor o palco da inconfidência mineira e se aprofundar na história da arte através do barroco mineiro.. Atenção: não leia este texto!
Venho lhes apresentar a minha Ouro Preto e desde já peço licença aos ouropretanos de nascença e de coração já que sou apenas uma visitante assídua e apaixonada.

O clima

Para visitar Ouro Preto é necessário um kit sobrevivência com tênis, camiseta, guarda-chuva, casaco, óculos e chapéu. Digo isso porque em apenas um dia você poderá sentir na pele todas as quatro estações do ano. É possível vivenciar o calor escaldante em meio aos sobe e desce das ladeiras e um frio torrencial nas esquinas sombrias da  noite ouropretana.
É comum ouvir de visitantes que a cidade possui um certo peso, uma tristeza pairando nos seus casarões e igrejas. Há um clima conspiratório e mórbido, mas ao mesmo tempo intrigante, talvez em razão da densidade histórica escravada na serra mineira.

A vida republicana

A Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP e seus universitários trazem um suspiro de jovialidade à cidade anciã. Curiosamente, as festas em repúblicas são chamadas de rock, mesmo que esteja tocando samba ou funk. O carnaval e a festa do 12 (12 de outubro) são as mais tradicionais e as repúblicas se preparam para receber visitantes. É nesse momento que se você é mulher e solteira poderá abrir um largo sorriso. Geralmente mulheres entram facilmente nessas festas e a consumação de bebida é livre, já os homens pagam. No carnaval são vendidos pacotes que incluem hospedagem, festas temáticas e blocos fechados.
Algumas repúblicas possuem verdadeiras boates em seus interiores. Ao adentrar quaisquer delas, você se depara com uma parede de quadrinhos com fotos dos moradores ilustres e homenageados. Se o  ex morador está presente, o quadrinho é virado para a parede.  Há uma hierarquia na república que vai do “decano” (morador mais antigo) que está no topo da pirâmide e assume as responsabilidades contratuais e toma decisões até o “bixo” que obedece as ordens.
O diferencial dessas festas está na receptividade dos estudantes, o sentimento de acolhimento e a simplicidade das pessoas. É inevitável sair de um “rock” sem lamentar não ter vivido essa experiência de vida republicana. Há uma ligação emocional muito intensa entre os moradores e a república em si que se expressa através do hino entoado com vigor, do amor à bandeira e do respeito mútuo.
Ouro-Preto02

Onde Comer

Quanto à gastronomia, recomendo três estabelecimentos:
– Restaurante “O Passo”: as pizzas de carne seca e catupiry ou a de abobrinha são uma ótima pedida.
– Restaurante ” Escada abaixo”: o ambiente é o maior atrativo. Um porão estiloso e cervejas variadas.
– Bar do Barroco: só digo uma coisa –  não saia de Ouro Preto sem experimentar a coxinha do barroco.

Como Chegar

Ouro Preto não possui aeroporto, mas fica bem próximo à Belo Horizonte, a cerca de 100km. Um das possibilidades é ir de ônibus saindo da rodoviária de Belo Horizonte. A empresa que faz o trajeto é a Pássaro Verde, a passagem custa R$30 e dura duas horas.
Também é possível ir de carro, nesse caso a viagem é mais rápida. Porém tome cuidado, porque é preciso paciência para estacionar e manobrar nos becos estreitos e sem sinalização da cidade.
Para encontrar hotéis em Ouro Preto clique aqui.

 

Fotos de Felipe Zig

Nathália Senra

Nathália Senra é advogada e servidora pública. O que faz direito mesmo é viver. Mineira do interior e aspirante a viajante do mundo.

Share This