Cataratas com as quedas d'águas cheias Foz do Iguaçu

O principal destino turístico de Foz do Iguaçu são as Cataratas do Iguaçu. As Cataratas localizam-se na fronteira entre o Brasil e a Argentina e existem dois parque para observá-las, um em cada país. Nessa matéria falarei sobre o lado brasileiro.

Para saber mais sobre o lado argentino leia a matéria: Cataratas do Iguaçu, lado argentino

Leia também: Cataratas do Iguaçu: diferenças entre o lado brasileiro e o lado argentino

As Cataratas do Iguaçu do lado brasileiro ficam dentro do Parque Nacional do Iguaçu. As origens do parque remetem a 1916, quando Santos Dumont visitou o local e sugeriu ao Governador do Paraná que um local tão singular não poderia pertencer a um particular. No mesmo ano, o governador transformou o local em “povoado e parque”. Algumas décadas depois, em 1939, o presidente Getúlio Vargas criou o Parque Nacional do Iguaçu. Já na década de 1990, a parte turística do parque passou a ser administrada pela iniciativa privada.

Começo da Trilha das Cataratas

Começo da Trilha das Cataratas

O que fazer

As Cataratas do Iguaçu são formadas pelas quedas d’água do Rio Iguaçu. São 275 quedas, a maior parte delas do lado argentino. Por isso, do parque brasileiro se tem uma visão panorâmica e privilegiada das Cataratas; é possível vê-las no conjunto, enquanto na Argentina, elas são vistas mais de perto, mas sem ter ideia da dimensão do todo.

A visita ao parque brasileiro começa com o transporte em um ônibus turístico. Após passar pela bilheteria, é necessário pegar um ônibus para chegar até a trilha e os mirantes. Os ônibus são super confortáveis, a maioria são de dois andares e todos com desenhos divertidos da fauna brasileira. Eles fazem quatro paradas: Estação Poço Preto (onde há uma trilha), Macuco Safári (onde há o passeio de barco até as quedas), Trilha das Cataratas (início da trilha) e Porto Canoas (final da trilha e onde há um restaurante).

Ônibus do Parque Nacional do Iguaçu

Ônibus do Parque Nacional do Iguaçu

No parque brasileiro o passeio tradicional consiste em descer na parada Trilha das Cataratas e fazer uma pequena caminhada em uma “trilha” em meio a mata, em que é possível ver as Cataratas de vários ângulos. No final há uma passarela de observação sobre o Rio Iguaçu (foto de capa), em que é possível chegar perto da famosa queda Garganta do Diabo. Essa caminhada é bem tranquila e leva de uma a uma hora e meia, já computado o tempo que paramos para tirar as fotos.

Mirante em Porto Canoas

Mirante em Porto Canoas

Atividades extras

A trilha Poço Preto e o passeio de barco, Macuco Safári, são atividades extras e pagas a parte. Se quiser fazer uma atividade extra opte pelo passeio de barco, que é a escolha da maioria dos visitantes. O Macuco Safári é um passeio de barco até as quedas d’água das Cataratas, custa R$179 e é bem legal. Apesar de caro, é muito interessante. Gostei bastante! O passeio dura duas horas, sendo que a maior parte do tempo é para ir e voltar até o porto.

Barco do Macuco Safari ao lado da queda d'água

Barco do Macuco Safari ao lado da queda d’água

Já a trilha Poço Preto é composta de várias atividades: duas trilhas e um passeio de barco na parte alta do Rio Iguaçu, mas que não chega até as quedas. O passeio dura três horas e meia e é mais voltado para a observação da fauna e da flora. Não fiz esse passeio, mas pelo que me falaram, ele é mais interessante para quem nunca entrou em uma floresta. O passeio custa R$278 e há três horários de saída: 9:30, 12:00 e 14:00 horas.

Uma outra atividade extra é o passeio de helicóptero. A empresa Helisul faz voos panorâmicos sobre as Cataratas; ela fica ao lado da entrada do Parque. Eu não fiz o passeio, mas quem faz diz que é muito legal. O problema é o preço, R$310 por pessoa para um voo de 10 minutos.

Como chegar

O Parque Nacional do Iguaçu fica a 20 Km do centro de Foz do Iguaçu. O jeito mais barato de chegar é de transporte público. A linha de ônibus 120 sai do Terminal de Transportes Urbanos (TTU) e custa R$3,20. O trajeto demora uns 40 minutos e há ônibus saindo a cada meia hora, em média. Veja os horários do ônibus aqui. Algumas empresas de turismo vendem o transporte para o Parque. O transporte, normalmente, é feito por van, possui alguns horários de saída e custa R$50. O tempo de trajeto é quase igual ao do transporte público, por isso recomendo a opção mais barata!

Para quem desejar ir de carro, o estacionamento do parque custa R$19 para carro ou moto. Mas, há outros estacionamentos próximos mais baratos.

Onde comer

Essa é uma das partes mais deficitárias do parque, pois há poucos locais de comer e eles são bem caros! Há algumas lanchonetes e um restaurante. O Porto Canoas é o único restaurante dentro do parque e o seu buffet self service custa R$58 por pessoa, sem incluir bebidas e sobremesa. O restaurante fica aberto das 12:00 às 16:00 horas.

Melhor mirante para fotografar que fica no meio da Trilha das Cataratas

Melhor mirante para fotografar que fica no meio da Trilha das Cataratas

Horário de funcionamento

O Parque abre todos os dias, das 9:00 às 17:00 horas.

Preço

A entrada no Parque Nacional do Iguaçu custa R$33,30 para adultos, R$8 para crianças (2 a 11 anos) e também R$8 para idosos (a partir de 60 anos). É possível comprar pela internet, mas há uma taxa de conveniência de R$6. Para comprar seu ingresso clique aqui.

Hotéis

O único hotel que fica dentro do Parque Nacional do Iguaçu é o Belmond Hotel das Cataratas. Ele fica em um local privilegiado, bem ao lado das cataratas, podendo ver a queda d’água do seu quarto. O único problema é o preço da hospedagem que costuma passar de R$1000 a diária.

Foz do Iguaçu possui várias outras opções de hotéis, para vê-las clique aqui.

Veja nossas outras matérias sobre Foz do Iguaçu e Puerto Iguazu:

– Roteiro de Foz do Iguaçu para 2, 4 e 6 dias

– Foz do Iguaçu: quando ir e onde ficar

– Foz do Iguaçu: dois restaurantes legais para jantar e outras opções

– Como ir e o que fazer em Puerto Iguazú

– Onde comer em Puerto Iguazú, a cidade das carnes

– Ice Bar, o Bar de Gelo de Puerto Iguazú

 


Felipe Zig

Felipe Zig é jornalista, fotógrafo e apaixonado por viajar. Depois de conhecer mais de 20 países, decidiu criar o blog “Abrace o Mundo” para dar dicas de viagens e incentivar outras pessoas a viajar.

Share This