A arte da pechincha, como comprar barato na China China

Quando pensamos em produtos baratos, o primeiro país que vem à nossa cabeça é a China. Aquelas antigas lojas de R$1,99 do Brasil, que hoje mudaram de nome, vendem vários produtos “Made in China” com preços muito baixos. Por isso, muita gente que vai à China acredita que encontrará souvenir, lembrancinhas e presentes a preços muito baratos. Mero engano!

Se tem uma coisa que os chineses sabem fazer são lembrancinhas para você levar da viagem. E não são aquelas porcarias industrializadas, que vendem nas lojas de R$1,99. Na China há uma grande variedade desses produtos, tanto industrializados, quanto os feitos manualmente e a maioria dos produtos com muita originalidade. Os preços também variam, há desde mais simples e baratos como chaveiros e hashi (os pauzinhos de comer comida chinesa), até produtos mais elaborados e caros como porcelanas e sedas. Se você quer levar lembrancinhas da viagem para sua família, na China você encontrará muitas opções, muito mais do que no sudeste asiático.

Leia também: Pequim, roteiro de 3, 4 e 5 dias pela capital chinesa

pechinca-china

Foto de: KittyKaht (CC BY-SA)

Se por um lado a variedade é grande, por outro os preços são muito altos, pelo menos se você comprar pelo valor oferecido pelos comerciantes. Enquanto em países do sudeste asiático, como Tailândia, Camboja e Vietnã, os preços oferecidos são 50% mais altos que os preços reais, na China esse valor pode chegar a 500%! Até assusta quando perguntamos how much? (quanto custa?). E os chineses são muito bons negociadores! Se você não tiver maldade, eles te levam na conversa e você ficará feliz por um desconto de 30%, quando na realidade o preço ainda está 200% maior que o valor real.

Na verdade, é difícil saber o valor real, porque um turista estrangeiro, na maioria dos países do mundo, não tem o mesmo poder de barganha que um nativo. Por isso, quando falo em “valor real” estou me referindo ao menor valor em que um comerciante venderia um produto. Falo isso embasado em minhas habilidades de barganha aprendidas nessa viagem à China e, principalmente, aprendidas em uma viagem que fiz ao Marrocos.

Entenda o contexto

Em alguns países, culturalmente, os produtos não possuem um preço pré-definido e se chega ao valor da venda através da negociação. Vários países árabes funcionam desse jeito. O Marrocos é um deles. Quando você pergunta o preço de algo, o comerciante te devolve a pergunta “quanto você paga?”, o que te deixa sem referência.

Na China é diferente, pois esse tipo de venda é comum apenas em lojas voltadas para turistas estrangeiros. Entre os chineses não é comum utilizar essa técnica de venda.

Leia também: É barato viajar para a China? Veja quanto custa uma viagem para Pequim 

Caso real de negociação bem sucedida

Agora, irei contar um caso real de como realizei uma compra em um mercado de Pequim. Essa foi a última compra que fiz, por isso, já estava mais malicioso na arte de negociar nos padrões chineses. Eu estava no Mercado das Pérolas (Pearl Market), um dos principais mercados de Pequim. Esse é um mercado voltado para vender para turistas. Apesar de não ser o melhor para comprar artesanato e souvenir, há boas opções e era isso que eu observava. Estava olhando as mercadorias mais por curiosidade do que com intenção de comprar realmente. Foi então que vi um xadrez no estilo chinês que me encantou! Perguntei o preço e o vendedor disse que eram ¥200. Pela minha cara ele percebeu que achei caro e perguntou quanto que eu pagaria; foi então que ofereci ¥40. Ele disse que ¥40 era muito pouco, que dava trabalho fazer aquilo, que não tinha como vender naquele preço, etc. Então me ofereceu por ¥120. Como não estava pensando em comprar, nem fiquei negociando e fui embora. Quando estava indo embora, ele me ofereceu por ¥70 e quando já tinha dado uns dez passos, gritou dizendo que faria por ¥40. Então, voltei e comprei! Foi aí que percebi que todo o resto que já havia comprado, tinha pagado caro.

compras-em-pequim

Xadrez que eu comprei, do caso relatado acima

Técnicas para comprar

  • A primeira dica é pesquisar, porque é o único jeito de você ter uma média de preços de algum produto. Entre em pelo menos três lojas e veja quanto estão cobrando por produtos semelhantes. Nos mercados, as lojinhas ficam uma ao lado da outra, não te dará muito trabalho pesquisar.
  • Na maioria das lojas que vendem para turistas, os produtos não possuem preços, então o vendedor vai falar um preço de acordo com a sua cara. Saiba que ele pedirá um preço muito superior ao que, realmente, vale. Então faça uma contra proposta de 20 a 25% do preço sugerido para começar a negociação.
  • Demonstre não possuir muito interesse no produto, pois quanto mais interessado o vendedor perceber que você está naquele objeto, menor será o desconto.
  • Estabeleça um preço e diga que não dá nada a mais. O vendedor tentará te convencer de que o produto é feito a mão, gera muito trabalho fazê-lo, que ele compra caro, que os materiais são de primeira, etc. Não caia nessa, eles dizem isso de tudo e para todos os turistas.
  • Agradeça e vá embora; o vendedor começará a gritar falando que abaixa o preço. Não ande menos do que 10 metros, pois ele poderá abaixar o preço mais de uma vez.
Como-comprar-souvenir-barato-na-china

Loja de rua – Foto de: Annaspies (CC BY-NC-ND)

Leia também outras matérias sobre a China:

Pequim, a fascinante cidade que é o coração da China

O que fazer em Pequim, conheça os 7 principais pontos turísticos

Muralha da China, trechos próximos a Pequim

Onde ficar em Pequim, conheça as melhores regiões da cidade

Foto de capa de: Bernd Thaller (CC BY-NC)

 


Felipe Zig

Felipe Zig é jornalista, fotógrafo e apaixonado por viajar. Depois de conhecer mais de 20 países, decidiu criar o blog “Abrace o Mundo” para dar dicas de viagens e incentivar outras pessoas a viajar.

Share This